Ver registro simples

Artigo de periódico

Direitos trabalhistas mínimos além da relação de emprego : efetivação do princípio constitucional da valorização social do trabalho

dc.contributor.authorAlves, Amauri Cesar
dc.date.accessioned2014-07-09T21:03:42Z
dc.date.available2014-07-09T21:03:42Z
dc.date.issued2012-12
dc.identifier.citationALVES, Amauri Cesar. Direitos trabalhistas mínimos além da relação de emprego: efetivação do princípio constitucional da valorização social do trabalho. Revista do Tribunal Regional do Trabalho da 3ª Região, Belo Horizonte, MG, v. 56, n. 86, p. 111-123, jul./dez. 2012.pt_BR
dc.identifier.citationALVES, Amauri Cesar. Direitos trabalhistas mínimos além da relação de emprego: efetivação do princípio constitucional da valorização social do trabalho. Revista do Tribunal Superior do Trabalho, São Paulo, SP, v. 79, n. 2, p. 53-69, abr./jun. 2014.pt_BR
dc.identifier.urihttps://hdl.handle.net/20.500.12178/39809
dc.descriptionVer o item na Rede Virtual de Bibliotecas (RVBI)pt_BR
dc.description.abstractDemonstra que, não obstante haja a óbvia e necessária prevalência da proteção da relação empregatícia, há espaço para a tutela mínima de relações de trabalho outras, que não envolvem empregado e empregador, mas merecem a atenção do Estado. Tal compreensão básica, de matriz eminentemente constitucional, se revela, na prática, através da aplicação das Leis ns. 12.690/2012 (Trabalho Cooperado), 11.788/08 (Estágio), 12.023/09 (Avulsos não portuários, conhecidos como "Chapas") e 12.619/2012 (Motoristas Profissionais). A análise será restrita, então, a quatro situações de trabalho e que aprioristicamente não caracterizam vínculo empregatício, mas que receberam recentemente do Estado brasileiro proteção específica e que permitem concluir pela consagração de direitos mínimos a trabalhadores não empregados como estratégia brasileira de valorização social do trabalho: cooperados, estagiários, chapas e motoristas profissionais não empregados. A ideia básica a permear o estudo é que algumas relações de trabalho sem vínculo empregatício devem também conferir direitos mínimos àqueles que se inserem no mercado produtivo, força da interpretação hodierna do que dispõe a Constituição da República em seus arts. 1º, incisos III e IV, 3º, inciso III, e 6º.pt_BR
dc.description.tableofcontentsTrabalho cooperado: Lei n. 12.690/2012 -- Estágio: Lei n. 11.788/2008 -- Trabalhador avulso não portuário: Lei n. 12.023/2009 -- Motoristas profissionais não empregados: Lei n. 12.619/2012pt_BR
dc.description.urihttp://biblioteca2.senado.gov.br:8991/F/?func=direct&doc_number=980619pt_BR
dc.language.isopt_BRpt_BR
dc.relation.ispartofRevista do Tribunal Regional do Trabalho da 3ª Região : Vol. 56, n. 86 (jul./dez. 2012)pt_BR
dc.relation.ispartofRevista do Tribunal Superior do Trabalho : Vol. 79, n. 2 (abr./jun. 2013)pt_BR
dc.subjectTrabalhador avulso, legislação, Brasilpt_BR
dc.subjectTrabalhador, direitos e deveres, proteção, Brasilpt_BR
dc.subjectEstagiário, legislação, Brasilpt_BR
dc.subjectCooperativa de trabalho, legislação, Brasilpt_BR
dc.subjectRelação de emprego, proteção, Brasilpt_BR
dc.subjectMotorista, legislação, Brasilpt_BR
dc.titleDireitos trabalhistas mínimos além da relação de emprego : efetivação do princípio constitucional da valorização social do trabalhopt_BR
dc.type.genreArtigo de periódicopt_BR
dc.identifier.rvbisys980619
dc.relation.ispartoflinkhttps://hdl.handle.net/20.500.12178/72687pt_BR
dc.relation.ispartoflinkhttps://hdl.handle.net/20.500.12178/39779pt_BR

Thumbnail

Coleção

Ver registro simples