Show simple item record

Artigo de periódico

Anexo 3 da NR-16, atividades e operações perigosas com exposição a roubos e outras espécies de violência física nas atividades de segurança pessoal e profissional: comentários e interpretação

dc.contributor.authorFerreira, Jorge
dc.date.accessioned2021-08-05T23:15:15Z
dc.date.available2021-08-05T23:15:15Z
dc.date.issued2016-01
dc.identifier.citationFERREIRA, Jorge. Anexo 3 da NR-16, atividades e operações perigosas com exposição a roubos e outras espécies de violência física nas atividades de segurança pessoal e profissional: comentários e interpretação. Justiça do trabalho, Porto Alegre, ano 33, n. 385, p. 93-97, jan. 2016.pt_BR
dc.identifier.urihttps://hdl.handle.net/20.500.12178/190685
dc.description.abstractA Lei 12.740 (de 08.12.2012) alterou parcialmente o Art. 193 da CLT, no que se refere a inclusão de novas atividades profissionais passíveis de classificação como perigosas e, por consequência, sujeitas a serem indenizadas com o adicional de periculosidade. Manteve no seu texto básico os termos "… aquelas que por sua natureza ou método de trabalho, impliquem risco acentuado em virtude de exposição permanente do trabalhador a:". Em 02.12.2013, com a promulgação da Portaria n. 1885, o Ministério do Trabalho e Emprego aprovou e implantou o Anexo 3 da Norma Regulamentadora 16 (NR-16), que regula as condições de indenização do adicional de periculosidade para as Atividades e Operações Perigosas com Exposição a Roubos e Outras Espécies de Violência Física nas Atividades Profissionais de Segurança Pessoal ou Patrimonial. A partir de então, uma série de demandas trabalhistas passaram a reivindicar o referido adicional para funções de vigilantes, vigias, porteiros ou outras, que de algum modo, com mais ou menos incidência ou risco acentuado, venham a convergir ou interagir com a segurança de pessoas ou do patrimônio em estabelecimentos públicos e privados. Na maioria dos casos, atendendo ao reivindicado, o julgador determina a perícia técnica e a análise da situação e dos riscos envolvidos, encarregando a tarefa aos engenheiros de segurança do trabalho. Sendo assim, dada a subjetividade e interpretações pessoais envolvidas nas perícias destes casos, com base na experiência e entendimento próprio sobre a aplicação das citadas legislações, o artigo traz à discussão aspectos que possam, ou devam ser considerados na classificação do risco acentuado e permanente.pt_BR
dc.relation.ispartofJustiça do trabalho: ano 33, n. 385 (jan. 2016)pt_BR
dc.subjectSegurança pessoal, Brasilpt_BR
dc.subjectSegurança privada, Brasilpt_BR
dc.subjectAdicional de periculosidade, legislação, alteração, Brasilpt_BR
dc.titleAnexo 3 da NR-16, atividades e operações perigosas com exposição a roubos e outras espécies de violência física nas atividades de segurança pessoal e profissional: comentários e interpretaçãopt_BR
dc.type.genreArtigo de periódicopt_BR
dc.identifier.rvbisys1056086
dc.relation.ispartoflinkhttps://hdl.handle.net/20.500.12178/166126pt_BR

Thumbnail

This item appears in the following Collection(s)

Show simple item record